Agência Fazendária Virtual
.::Serviços::.
|--> EFD
---> IPM
|--> IPVA
---> ITCD
|--> TACIN


.::Informações::.
---> CNAE
|--> PMPF


.::Enquete::.
Com qual freqüência você (contribuinte/contador) procura à Agência Fazendária ou USC?
Semanalmente
Quinzenalmente
Mensalmente
Raramente
Resolvo tudo on-line


Resultados
.::Newsletter::.



 
.:: Sefaz/MT - Notícias ::.

Estado investe na estrutura do Parque Mãe Bonifácia em Cuiabá

A superintendente de Educação Ambiental (Suea), da Secretaria de Estado do Meio Ambiente (Sema), Vânia Márcia Montalvão Guedes César, disse, nesta quinta-feira (03.03), que as obras de recuperação da ponte da Trilha das Bandeiras, localizada no setor leste do Parque Estadual Mãe Bonifácia, devem ter início nos próximos dias.

A ponte, uma das três existentes na área do parque foi interditada há aproximadamente 19 dias, já que representava riscos aos usuários. Segundo o diretor do Parque Mãe Bonifácia, Celso Benedito Pinheiro, a estrutura da ponte ficou danificada em razão das chuvas, que aumentou o volume de água do canal, provocou o desbarrancamento do aterro existente no local e fez ceder uma das cabeceiras da estrutura.

A Trilha das Bandeiras é a maior existente no parque com 3.480 metros de extensão e circunda toda a área da unidade. Apenas 500m desta trilha encontra-se interditado.

O diretor lembrou ainda que entre os projetos da Sema para o Parque Mãe Bonifácia está o que prevê a recuperação da pavimentação das trilhas, 8.955 metros, e o asfaltamento da área do estacionamento,



UNIDADE DE CONSERVAÇÃO

O Parque Estadual Mãe Bonifácia, junto com outras duas unidades, Massairo Okamura e Zé Bolo Flô, enquadram-se na categoria Unidades de Conservação de Proteção Integral. De acordo com o Decreto nº 1795, de 04 de novembro de 1997, que dispõe sobre o Sistema Estadual de Unidades de Conservação (Seuc), por se enquadrarem nessa categoria, destinam-se a proteção integral de áreas naturais inalteradas ou pouco alteradas pela ação do homem, ou que ofereçam relevante interesse do ponto de vista científico, cultural, cênico, educativo e recreativo.

A superintendente Vânia Márcia destaca que, nesse sentido, a preocupação do Governo do Estado e da Sema, em relação as unidades localizadas dentro dos municípios, é manter as áreas protegidas, de forma a proporcionar melhoria do microclima da região, proporcionando manutenção da flora do ambiente preservado. ¿A Sema, que é o órgão responsável pela administração dessas unidades de conservação no Estado, garante a conservação e preservação integral da biota e demais atributos naturais nela existentes, sendo admitido apenas o uso indireto de seus recursos¿, explicou.

Com objetivo de manter a proteção integral da biota, a Sema, respaldada pelo Seuc, não admite interferência humana direta ou modificações ambientais e quaisquer medidas de recuperação de seus ecossistemas alterados e o manejo das espécies que o exijam, a fim de preservar a diversidade biológica, necessita de um Plano de Manejo.

Assim, o uso dessas unidades é orientado por meio de várias limitações. Para preservar a fauna das unidades de conservação integral, de forma efetiva, o horário para o uso dos parques é de segunda à sexta das 6h às 18horas. ¿Não se admite exceder esse tempo estabelecido assim como, alterar a iluminação nas trilhas e entorno dos parques para não prejudicar a vida das espécies locais¿, assinalou a superintendente.

Para o uso correto dessas unidades de conservação a superintendente de Educação Ambiental lembra ainda que ¿a participação da sociedade é extremamente importante, porque contribui para o melhor uso desse espaço de preservação e conservação ambiental em nosso município¿.

Unidade de Conservação é uma zona ou região dedicada especificamente a proteção e conservação da diversidade biológica e dos recursos naturais e culturais associados.

PROJETOS

Todos os projetos a serem implantados nos parques, segundo a superintendente, devem respeitar o Plano de Manejo previsto no Seuc. ¿Os Planos de Manejo dos parques Mãe Bonifácia, Massairo Okamura e Zé Bolo Flô estão em processo de elaboração e irão prever um conjunto de ações e atividades necessárias ao alcance dos objetivos de conservação destas áreas, incluindo as atividades afins, tais como proteção, recreação, educação, pesquisa e manejo dos recursos, bem como as atividades de administração ou gerenciamento¿, explicou a superintendente.

O Plano de Manejo é um documento técnico que, com base nos objetivos de uma unidade de conservação, define o seu zoneamento, orienta e controla o manejo dos seus recursos, o uso da área, o desenvolvimento e a implementação das estruturas físicas necessária à gestão da unidade.

Algumas obras de reforma e melhoria da estrutura já são feitas. Vânia Márcia lembra, por exemplo, que no ano passado, o Mirante passou por reformas. ¿A estrutura foi toda envernizada e os corrimões pintados com esmalte sintético. Também foi feito um tratamento anticupim em toda a estrutura, e as conexões foram apertadas¿, destacou ela.

Em relação à segurança dos usuários, a superintendente disse que os parques possuem seguranças 24 horas nas guaritas, contratados por uma empresa terceirizada, além de agentes ambientais que percorrem as trilhas, a pé ou motorizado, dentro do horário de funcionamento, e ainda, os garis que fazem a manutenção do local e colaboram com a segurança. Além disso, foi instalada câmara de segurança na área do parque ligada ao Centro Integrado de Operações (Ciosp) de Segurança Pública de Mato Grosso.

Sobre a limpeza dos banheiros públicos nessas unidades de conservação integral, a superintendente explicou que é realizada por profissionais de uma empresa terceirizada com horários pré-estabelecidos. Sendo no período da manhã das 7h e 11h e no período da tarde às 16h, todos os dias da semana.

Em relação ao Córrego Mãe Bonifácia, Vânia Márcia explicou que a sub-bacia 14, que engloba toda a região do entorno do parque não possui um sistema de coleta implantado, com a exceção de poucos condomínios verticais que têm sistema próprio. O sistema público não existe e, consequentemente, todo o esgoto dessa sub-bacia é lançado nas galerias pluviais 'in natura' e vão direto para os córregos mais próximos, o mesmo ocorre com a Estação de Tratamento de Água São Sebastião (ETA), onde o excedente da lavagem de filtro é lançado no córrego do parque e daí ocorre o mau cheiro.

¿A solução é a implantação do Sistema Público de Coleta, que já possui um projeto aprovado para ser implantado pela Companhia de Saneamento da Capital (Sanecap)¿, disse Vânia Márcia.
 
Versão para impressão!   Enviar Notícia!
Enviada por: Duda Torres/ Maria Barbant - Secom/MT em 04/03/2011 08:26:01
E-mail: Ouvidoria
Terça, 23 de outubro de 2018  
























Login FIPLAN











Sistema de Informações Gerenciais do Governo de MT


Fale conosco


Licitação Profisco





Serviços INDEA











Portal Nota Fiscal Eletrônica


Carta de Serviços ao Cidadão






 
Av. Historiador Rubens de Mendonça nº. S/n - Centro Político Administrativo
Cep. 78049-936 - Cuiabá-MT Fone: (65) 3617-2900
© Copyright 2004. SEFAZ-MT - Todos os direitos reservados